Paris

Ontem regressei de Paris. O Salon du Livre foi um evento formidável (e em breve devo colocar mais detalhes aqui). Além disso, a própria cidade ultrapassa tudo o que se possa dizer sobre ela. Os golpes de beleza acontecem no meio da rua, como se fossem rajadas de vento que nos atingem, subitamente. Primeiro, foi a Place de la Concorde, com a igreja da Madeleine. Depois, nos dias seguintes, os museus, as outras igrejas. Os livros, as calçadas, a língua francesa. A culinária, as frutas, os xales. As pontes sobre o Sena e o inesquecível passeio de barco, poucas horas antes de eu voltar. Lembro aqueles versos de Lamartine e penso num retorno. Paris, sem dúvida, faz com que a gente deixe uma parte do coração por lá.
“O temps! Suspends ton vol, et vous, heures propices!
Suspendez votre cours:
Laissez-nous savourer les rapides délices
Des plus beaux de nos jours!”

Imagem

Em frente à casa de Victor Hugo, num dia de março.

2 pensamentos sobre “Paris

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s