Do boneco de Olinda ao gigante de Liège

Dentre as mais alegres viagens de minha infância, estavam as idas a Pernambuco. Em Recife, os gibis chegavam antes do que em Fortaleza – e havia, na época, um paraíso chamado Livro 7, livraria onde eu e minha irmã passávamos tardes inteiras. Ainda muito criança, eu olhava o Capibaribe enquanto ouvia meus pais falarem de João Cabral e Manuel Bandeira: a literatura se colava à paisagem, essencialmente. Mas foi em Olinda que aprendi as lições iniciais de folclore e de festa. O carnaval era a supremacia de cores e extravagâncias, no centro histórico onde desfilavam enormes bonecos, brinquedos de monstros que a qualquer momento poderiam aparecer, esmigalhando os foliões-formigas.

Aprendi a exorcizar meus medos com confetes, e aquelas primeiras aventuras fora de casa serviram de treino – inclusive (quem diria?) para minha experiência atual. Pois aterrissei na Bélgica para fazer um pós-doutorado, e o acaso quis que meu dia de chegada coincidisse com o festejo de Outremeuse. O 15 de agosto em Liège reúne multidões para ver o cortejo de gigantes liderado por Tchantchès e Nanesse, figuras típicas da tradição local.

A missa em valônio, as músicas e sabores – com o irresistível peket, em suas combinações variadas – me impulsionaram às descobertas.  Recém-chegada ao país, eu me dispunha ao assombro, com uma curiosidade infatigável. A língua francesa em prática cotidiana, os museus, o povo, os costumes… eu buscava ganchos culturais onde me apoiar, mas na verdade uma boa parte era (e continua sendo) improvisada. Até o corpo busca soluções: para uma cearense, é insólito andar com as mãos nos bolsos de um casaco, mas em Liège eu me habituei a isso, assim como aprendi sobre a textura de cachecóis e o tipo exato de meias para usar com as botas. Ao mesmo tempo, os hábitos também impõem sua presença – e continuo vendo uma cidade através de sua arte. A Place du Marché agora é, para mim, o local onde Jim Sumkay produz flagrantes fotográficos. A igreja de Saint Pholien e as casas ao redor levam ao percurso dos livros de Georges Simenon. A Université de Liège, claro, está para sempre ligada ao Groupe µ, que adensou minha paixão pela semiótica visual.

A “cidade ardente” se torna um equivalente afetivo da minha “terra do sol”: entre a Bélgica e o Brasil, construo insólitas relações. Talvez a saudade nos capacite a esse tipo de fantasia – mas o fato é que ando pelas ruas chuvosas de Liège reparando no movimento das pessoas, que levantam e abaixam sobrinhas, para não esbarrar nos demais transeuntes. Isso para mim é Pernambuco, criando um frevo ritmado pelo frio. E confirmo o que afetivamente já suspeitava: o Nordeste brasileiro é o princípio do mundo.

Tércia Montenegro (crônica também publicada ontem no blog da Companhia das Letras)

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s