Amar os museus

“Quem precisa da França sem o Louvre?”, “Quem seríamos sem os museus?”, “Se os retratos nunca tivessem sido inventados, quem eu seria, sem os olhos dos que viveram antes de mim?”

Estas indagações já valem a ida ao cinema, para ver Francofonia, de Alexander Sokurov. Outros motivos: a narração em russo; as imagens iniciais, com fotografias de Tchékhov, e a construção do enredo, com uma metalinguagem interessante (embora os fantasmas de Napoleão e da França personificada tenham me parecido recursos ingênuos). Mas o conteúdo principal, que pesa com maior consistência, é a história em torno de Metternich. O oficial nazista, transformado em curador das artes pela Europa, ajudou a proteger a coleção do Louvre, deixando-a escondida no castelo no Vale do Loire, para onde tinha sido evacuada.

Tantas reflexões em torno da arte e da guerra – extremos que nos definem enquanto humanos – inspiram o desejo de ver também A arca russa, do mesmo diretor, sobre o Hermitage. Descubro neste link que há ainda a promessa de Sokurov de fazer filmes sobre o Prado e o Museu Britânico. Boas notícias, e tão necessárias!

Em tempo: ontem, além de Francofonia, estive no cinema para uma sessão do Aquarius. Mas a obra do Kleber de Medonça Filho merece uma postagem demorada, que prometo para breve.

 

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s